Educação

50 dicas para lidar com a hiperatividade na sala de aula

Envie por e-mail

Dos inúmeros problemas que um professor tem para administrar na sala de aula, sem dúvida um dos mais delicados é quando ele percebe que um aluno sofre de transtorno de hiperatividade.
Estudos dão conta que a hiperatividade pode afetar pessoas de todas as faixas etárias, porém, há uma prevalência em crianças em fase escolar.
Os principais sintomas apresentam-se em três grandes áreas: a da atenção, controle da atividade motora e dos impulsos.

Em 1992, os psicólogos Edward M. Hallowell e John Ratey apresentaram um documento com 50 dicas de como lidar com aluno que sofre de transtorno de hiperatividade.

O texto é de grande valia e merece ser lido na integra por médicos, coordenadores, educadores e os pais que têm um filho nesta situação.

50 dicas para administração da Hiperatividade em Sala de Aula

Elaborado por: Edward M. Hallowell & John J. Ratey em 1992
CH ADD National Office 499, Northwest 70 th Avenue, suite 101 Plantation, Florida 33317 (0800) 233 40-50 Internet: http://www.chadd.org
Tradução: Luiz Henrique (031) 411 50-57 Cleber Canabrava Amaral

Os professores sabem o que muitos profissionais não sabem: não existe apenas uma única síndrome de Hiperatividade, mas muitas; que a hiperatividade raramente ocorre de uma forma “pura” mas, ao contrário, normalmente apresenta-se ligada a muitos outros problemas como dificuldade de aprendizado ou mau humor; que HIPERATIVIDADE muda conforme o clima, é inconstante e imprevisível; e que o tratamento para HIPERATIVIDADE, a respeito de ser claramente esclarecido em vários livros, representa uma dura missão de trabalho e devoção. Não há uma solução fácil para administrar HIPERATIVIDADE na sala de aula ou em casa. Depois de tudo feito, a eficácia de qualquer tratamento deste problema na escola depende do conhecimento e da persistência da escola e do professor. Aqui apresentamos algumas dicas para o trato de crianças com HIPERATIVIDADE na escola. As sugestões a seguir visam o professor na sala de aula para crianças de qualquer idade. Algumas sugestões vão ser evidentemente mais adequadas às crianças menores, outras às mais velhas mas, em termos de estrutura, educação e encorajamento, são pertinentes a qualquer um.

01 – Antes de tudo, tenha certeza de que o que você está lidando é HIPERATIVIDADE. Definitivamente não é tarefa dos professores diagnosticar a HIPERATIVIDADE, mas você pode e deve questionar. Especificamente tenha certeza de alguém tenha testado a audição e a visão da criança recentemente e tenha certeza também de que outros problemas médicos tenham sido resolvidos. Tenha certeza de que uma avaliação adequada foi feita. Continue questionando até que se sinta convencido. A responsabilidade disso tudo é dos pais e não dos professores, mas o professor pode contribuir para o processo.

02 – Segundo, prepare-se para suportar. Ser uma professora na sala de aula onde há duas ou três crianças com HIPERATIVIDADE pode ser extremamente cansativo. Tenha certeza de que você pode tem o apoio da escola e dos pais. Tenha certeza de que há uma pessoa com conhecimento á qual você possa consultar quando tiver um problema (pedagogo, psicólogo infantil, assistente social, psicólogo da escola ou pediatra), mas a formação da pessoa não é realmente importante. O que importa é que ele ou ela conheça muito sobre HIPERATIVIDADE, conheça os recursos de uma sala de aula e possa falar com clareza. Tenha certeza de que os pais estão trabalhando com você. Tenha certeza de que os colegas podem ajudar você.

03 – Conheça seus limites. Não tenha medo de pedir ajuda. Você, como professor, não pode querer ser uma especialista em HIPERATIVIDADE. Você deve sentir-se confortável em pedir ajuda quando achar necessário.

04 – PERGUNTE À CRIANÇA O QUE PODE AJUDAR Estas crianças são sempre muito intuitivas. elas sabem dizer a forma mais fácil de aprender, se você perguntar. Elas ficam normalmente temerosas em oferecer informação voluntariamente porque isto pode ser algo muito ousado ou extravagante. Mas tente o sentar sozinho com a criança e perguntar a ela como ela pode aprender melhor. O melhor especialista para dizer como a criança aprende é a própria criança. É assustadora a freqüência com que suas opiniões são ignoradas ou não são solicitadas. Além do mais, especialmente com crianças mais velhas, tenha certeza de que ela entende o que é HIPERATIVIDADE. Isto vai ajudar muito a vocês dois.

05 – Lembre-se de que as crianças com HIPERATIVIDADE necessitam de estruturação. Elas precisam estruturar o ambiente externo, já que não podem se estruturar internamente por isso mesmos. Faça listas. Crianças com HIPERATIVIDADE se beneficiam enormemente quando têm uma tabela ou lista para consultar quando se perdem no que estão fazendo. Elas necessitam de algo para fazê-las lembrar das coisas. Eles necessitam de previsões. Eles necessitam de repetições. Elas necessitam de diretrizes. Elas precisam de limites. Elas precisam de organização.

06 – LEMBRE-SE DA PARTE EMOCIONAL DO APRENDIZADO Estas crianças necessitam de um apoio especial para encontrar prazer na sala de aula. Domínio ao invés de falhas e frustrações. Excitação ao invés de tédio e medo. É essencial prestar atenção ás emoções envolvidas no processo de aprendizagem.

07 – Estabeleça regras. Tenha-as por escrito e fáceis de serem lidas. As crianças se sentirão seguras sabendo o que é esperado delas.

08 – Repita as diretrizes. Escreva as diretrizes. Fale das diretrizes. Repita as diretrizes. Pessoas com HIPERATIVIDADE necessitam ouvir as coisas mais de uma vez.

09 – Olhe sempre nos olhos. Você pode “trazer de volta” uma criança HIPERATIVIDADE através dos olhos nos olhos. Faça isto sempre. Um olhar pode tirar uma criança do seu devaneio ou dar-lhe liberdade para fazer uma pergunta ou apenas dar-lhe segurança silenciosamente.

10 – Na sala de aula coloque a criança sentada próxima à sua mesa ou próxima de onde você fica a maior parte do tempo. Isto ajuda a evitar a distração que prejudica tanto estas crianças.

11 – Estabeleça limites, fronteiras. Isto deve ser devagar e com calma, não de modo punitivo. Faça isto consistentemente, previamente, imediatamente e honestamente. Não seja complicado, falando sem parar. Estas discussões longas são apenas diversão. Seja firme.

12 – Preveja o máximo que puder. Coloque o plano no quadro ou na mesa da criança. Fale dele frequentemente. Se você for alterá-lo, como fazem os melhores professores, faça muitos avisos e prepare a criança. Alterações e mudanças sem aviso prévio são muito difíceis para estas crianças. Elas perdem a noção das coisas. Tenha um cuidado especial e prepare as mudanças com a maior antecedência possível. Avise o que vai acontecer e repita os avisos à medida que a hora for se aproximando.

13 – Tente ajudar às crianças a fazerem a própria programação para depois da aula, esforçando-se para evitar um dos maiores problemas do HIPERATIVIDADE: a procrastinação.

14 – Elimine ou reduza a freqüência dos testes de tempo. Não há grande valor educacional nos testes de tempo e eles definitivamente não possibilitam às crianças HIPERATIVIDADE mostrarem o que sabem.

15 – Propicie uma espécie de válvula de escape como, por exemplo, sair da sala de aula por alguns instantes. Se isto puder ser feito dentro das regras da escola, poderá permitir à criança deixar a sala de aula ao invés de se desligar dela e, fazendo isto, começa a aprender importantes meios de auto-observação automonitoramento.

16 – Procure a qualidade ao invés de quantidade dos deveres de casa. Crianças HIPERATIVIDADE frequentemente necessitam de uma carga reduzida. Enquanto estão aprendendo os conceitos, elas devem ser livres. Elas vão utilizar o mesmo tempo de estudo e não vão produzir nem mais nem menos do que elas podem.

17 – Monitore o progresso frequentemente. Crianças HIPERATIVIDADE se beneficiam enormemente com o freqüente retorno do seu resultado. Isto ajuda a mantê-los na linha, possibilita a eles saber o que é esperado e se eles estão atingindo as suas metas, e pode ser muito encorajador.

18 – Divida as grandes tarefas em tarefas menores. Esta é uma das mais importantes técnicas de ensino das crianças HIPERATIVIDADE. Grandes tarefas abafam rapidamente as crianças e elas recuam a uma resposta emocional do tipo eu nunca vou ser capaz de fazer isto. Através da divisão de tarefas em tarefas mais simples, cada parte pequena o suficiente para ser facilmente trabalhada, a criança foge da sensação de abafado. Em geral estas crianças podem fazer muito mais do que elas pensam. Pela divisão de tarefas o professor pode permitir à criança que demonstre a si mesma a sua capacidade. Com as crianças menores isto pode ajudar muito a evitar acessos de fúria pela frustração antecipada. E com os mais velhos, pode ajudar as atitudes provocadoras que elas têm frequentemente. E isto vai ajudar de muitas outras maneiras também. Você deve fazer isto durante todo o tempo.

19 – Permita-se brincar, divertir. Seja extravagante, não seja normal. Faça do seu dia uma novidade. Crianças HIPERATIVIDADE adoram novidades. Elas respondem às novidades com entusiasmo. Isto ajuda a manter a atenção – tanto a delas quanto a sua. Estas crianças são cheias de vida, elas adoram brincar. E acima de tudo, elas detestam ser molestadas. Muitos dos tratamentos para elas envolvem coisas chatas como estruturas, programas, listas e regras. Você deve mostrar a elas que estas coisas não estão necessariamente ligadas às pessoas, professores ou aulas chatas. Se você, às vezes, se fizer de bobo poderá ajudar muito.

20 – Novamente, cuidado com a superestimulação. Como um barro de vaso no forno, a criança pode ser queimada. Você tem que estar preparado para reduzir o calor. A melhor maneira de lidar com os caos na sala de aula é, em primeiro lugar, a prevenção.

21 – Esforce-se e não se dê satisfeito, tanto quanto puder. Estas crianças convivem com o fracasso, e precisam de tudo de positivo que você puder oferecer. O fracasso não pode ser superenfatizado: estas crianças precisam e se beneficiam com os elogios. Elas adoram o encorajamento. Elas absorvem e crescem com isto. E sem isto elas retrocedem e murcham. Frequentemente o mais devastador aspecto da HIPERATIVIDADE não é HIPERATIVIDADE propriamente dita e sim o prejuízo à auto-estima. Então, alimente estas crianças com encorajamento e elogios.

22 – A memória é frequentemente um problema para eles. Ensine a eles pequenas coisas como neumônicos, cartão de lembretes, etc. Eles normalmente têm problemas com o que Mel Levine chama de Memória do Trabalho Ativa, o espaço disponível no quadro da sua mente, por assim dizer. Qualquer coisa que você inventar – rimas, códigos, dicas – pode ajudar muito a aumentar a memória.

23 – Use resumos. Ensine resumido. Ensine sem profundidade. Estas técnicas não são fáceis para crianças HIPERATIVIDADE, mas, uma vez aprendidas, podem ajudar muito as crianças a estruturar e moldar o que está sendo ensinado, do jeito que é ensinado. Isto vai ajudar a dar à criança o sentimento de domínio durante o processo de aprendizagem, que é o que elas precisam, e não a pobre sensação de futilidade que muitas vezes definem a emoção do processo de aprendizagem destas crianças.

24 – Avise sobre o que vai falar antes de falar. Fale. Então fale sobre o que já falou. Já que muitas crianças com HIPERATIVIDADE aprendem melhor visualmente do que pela voz, se você puder escrever o que será falado e como será falado, isto poderá ser de muita ajuda. Este tipo de estruturação põe as idéias no lugar.

25 – Simplifique as instruções. Simplifique as opções. Simplifique a programação. O palavreado mais simples será mais facilmente compreendido. E use uma linguagem colorida. Assim como as cores, a linguagem colorida prende atenção.

26 – Acostume-se a dar retorno, o que vai ajudar a criança a se tornar auto-observadora. Crianças com HIPERATIVIDADE tendem a não ser auto-observadora. Elas normalmente não têm idéia de como vão ou como têm se comportado. Tente informá-las de modo construtivo. Faça perguntas como: Você sabe o que fez? ou Como você acha que poderia ter dito isto de maneira diferente? ou Você acha que aquela menina ficou triste quando você disse o que disse?. Faça perguntas que promovam a auto-observação.

27 – Mostre as expectativas explicitamente.

28 – Um sistema de pontos é uma possibilidade de mudar parte do comportamento (sistema de recompensa para as crianças menores). Crianças com HIPERATIVIDADE respondem muito bem às recompensas e incentivos. Muitas delas são pequenos empreendedores.

29 – Se a crianças parece ter problemas com as dicas sociais – linguagem do corpo, tom de voz, etc – tente discretamente oferecer sinais específicos e explícitos, como uma espécie de treinamento social. Por exemplo, diga antes de contar a sua história, procure ouvir primeiro a de outros ou olhe para a pessoa enquanto ela está falando. Muitas crianças com HIPERATIVIDADE são vistas como indiferentes ou egocêntricas, quando de fato elas apenas não aprenderam a interagir. Esta habilidade não vem naturalmente em todas as crianças, mas pode ser ensinada ou treinada.

30 – Aplique testes de habilidades.

31 – Faça a criança se sentir envolvida nas coisas. Isto vai motivá-la e a motivação ajuda o HIPERATIVIDADE.

32 – Separe pares ou trios ou até mesmo grupos inteiros de crianças que não se dão bem juntas. Você deverá fazer muitos arranjos.

33 – Fique atento à integração. Estas crianças precisam se sentir enturmadas, integradas. Tão logo se sintam enturmadas, se sentirão motivadas e ficarão mais sintonizadas.

34 – Sempre que possível, devolva as responsabilidades à criança.

35 – Experimente um caderno escola – casa – escola. Isto pode contribuir realmente para a comunicação pais – professores e evitar reuniões de crises. Isto ajuda ainda o freqüente retorno de informação que a criança precisa.

36 – Tente utilizar relatórios diários de avaliação.

37 – Incentive uma estrutura do tipo auto-avaliação. Troca de idéias depois da aula pode ajudar. Utilize também os intervalos de aula.

38 – Prepare-se para imprevistos. Estas crianças necessitam saber com antecedência o que vai acontecer, de modo que elas possam se preparar. Se elas, de repente, se encontram num imprevisto, isto pode evitar excitação e inquietos.

39 – Elogios, firmeza, aprovação, encorajamento e suprimento de sentimentos positivos.

40 – Com as crianças mais velhas, faça com que escrevam pequenas notas para eles mesmos, para lembrá-los das coisas. Essencialmente, eles anotam não apenas o que é dito a eles mais também o que eles pensam. Isto pode ajudá-los a ouvir melhor.

41 – Escrever à mão às vezes é muito difícil paras estas crianças. Desenvolva alternativas. Ensine como utilizar teclados. Faça ditados. Aplique testes orais.

42 – Seja como um maestro: tenha a atenção da orquestra antes de começar. Você pode utilizar do silêncio ou bater o seu giz ou régua para fazer isto. Mantenha a turma atenta, apontando diferentes partes da sala como se precisasse da ajuda deles.

43 – Sempre que possível, prepare para que cada aluno tenha um companheiro de estudo para cada tema, se possível com o número do telefone (adaptado de Gary Smith).

44 – Explique e dê o tratamento normal a fim de evitar um estigma.

45 – Reuna com os pais frequentemente. Evite o velho sistema de se reunir apenas para resolver crises ou problemas.

46 – Incentive a leitura em voz alta em casa. Ler em voz alta na sala de aula tanto quanto for possível. Faça a criança recontar estórias. Ajude a criança a falar por tópicos.

47 – Repetir, repetir, repetir.

48 – Exercícios físicos. Um dos melhores tratamentos para HIPERATIVIDADE, adultos ou crianças, é o exercício físico. Exercícios pesados, de preferência. Ginastica ajuda a liberar o excesso de energia, ajuda a concentrar a atenção, estimula certos hormônios e neurônios que são benéficos. E ainda é divertido. Assegure-se de que o exercício seja realmente divertido, porque deste modo a criança continuará fazendo para o resto da vida.

49 – Com os mais velhos a preparação para a aula deve ser feita antes de entrar na sala. A melhor idéia é que a criança já saiba o que vai ser discutido em um certo dia e o material que provavelmente será utilizado.

50 – Esteja sempre atento às dicas do momento. Estas crianças são muitos mais talentosas e artísticas do que parecem. Elas são cheias de criatividade, alegria, espontaneidade e bom humor. Elas tendem a ser resistentes, sempre agarradas ao passado. Elas tendem a ser generosas de espírito, felizes de poder ajudar alguém. Elas normalmente têm algo especial que engrandece qualquer coisa em que estão envolvidas. Lembre-se de que no meio do barulho existe uma sinfonia, uma sinfonia que precisa ser escrita.

Versão em arquivo Word

[ + ] 50 dicas para administração da Hiperatividade em Sala de Aula

Envie por e-mail
_ GIF Calados Femininos 300X250

29 thoughts on “50 dicas para lidar com a hiperatividade na sala de aula

  1. Dicas excelentes que nos ajudam a conviver melhor com nossos filhos e passar dicas à pessoas que não sabem como lidar, a princípio eu estava desesperada pois acabei de chegar de uma reunião com uma coordenadora da escola do meu filho e com estas dicas não darei chance para ser chamada novamente na escola, escutar comentários negativos é muito triste…obrigada por essas valiosas informações.

  2. Obrigada pela matéria, excelente e prática. Essas crianças portadoras de transtornos de atenção e coportamento são tambrm hiperafetivas. O amor ajuda muito no processo já orientado… Ciencia e Amor…dá certo.

  3. Tenho uma filha de 10 anos, que estuda na escola Pública, na sala de aula tem uma estagiaria que a companha; mas infelizmente não tem a preparação, cuidados em estar ao lado dela. Acontece que as duas brigam como se fosse duas irmãs. Porque só tem acusações. Como devo proceder no colégio.

    Obrigado

  4. Rafael,

    Essa matéria foi um verdadeiro achado. Tenho um filho maravilhoso de 6 aninhos, super inteligente, mas que estamos chegando a conclusão do TDAH. Estou começando a aprender a lidar com isso, não a certeza que não é o fim do mundo. Venceremos juntos.

    Estamos com neuro psicóloga, psicóloga educacional e fono. Ele pratica dois esportes e adora. Percebo que é campeão em jogos eletrônicos e gosta de números, mas com relação a escrita, ele não se concentra mesmo. Está na fase de alfabetização e isso tem me preocupado muito.

    Antes achava que a professora na escola tinha apenas que ser compreensiva, como ela é, mas agora posso incluí-la ainda mais nesse processo.

    Percebi na escola, que tem dois coleguinhas que brigam com meu filho e como ele não é de levar desaforo para casa a coisa se complica.

    Você pode adaptar algumas dicas também durante a prática de esportes coletivos?

    Presenciei o tio do futsal pegar dois líderes para que eles escolhessem quem ficariam em seus respectivos times e meu filho não foi selecionado por nenhum dos dois meninos. O professor indicou meu filho para fazer parte de um time e o menino, um pouco maior, disse prontamente que não o aceitava por ele só fazer bagunça e não saber jogar. Quando vi meu amado ficar tristinho, sentando-se no chão de cabeça baixa, aquilo me partiu o coração, chorei muito durante a noite, mas enfrentarei tudo que vier pela frente.

    Muito obrigada pelo presente que representa essas dicas.

    Verônica Gomes

  5. estou na coordenação do meu município,e gostei muito das informações,pois na escola que coordeno tem um aluno hiperativo e até então não sabia como lidar e passar para os professores algumas dicas,mas agora podemos auxiliá-los.estou muito feliz.

    • BEM EU TENHO UMA CRIANCA HIPERATIVA E SURDA ELE TEM 10 ANOS NO COMECO FOI DIFICIL MAS AGORA JA SABEMOS COMO LIDAR ELE TOMA RITALINA P IR P ESCOLA E TOMA REPIRIDONA PARA DORMIR ESTA BEM NOS LEVAMOS ELE PARA PASSEAR BASTANTANTE ISSO AJUDA MUITO ELE FAZ TRATAMENTO COM UMA NEURO E EM BAURO P SURDES OBRIGADO

  6. Não sou ninguém mais, o que acabei de ler me, deixou altamente emocionada pois, tenho um príncipe lindo e, maravilhoso que é, hiperativo de modo que, tirei proveito dessas dicas incríveis.

  7. O livro infantil JOÃO AGITADÃO, editora Caravansarai, autoria de Lia de Paula Moraes e ilustrado por Ney Megale, além de ser uma leitura divertida para as crianças em geral, ajuda aquelas muito agitadas, distraídas e portadoras de TDAH a se verem de uma forma mais positiva.

  8. Boa Noite

    Sou professora do 4*ano com 34 alunos sendo dois hiperativos, um conversa a aula inteirinha, não cala um minuto, o outro não copia as tarefas e fica o tempo todo brincando e mexendo com os colegas, estou tendo muita dificuldade em lidar com eles e essas dicas foram de muito preciosas.

    Se possível gostaria de receber especificamente mais informações sobre meu caso.

    obrigada

  9. Por favor me de orientações de como lidar com um adolescente que ainda é hiperativo e que hoje está com 17 anos.Obrigado!………….

  10. Sou o professor Fernando Mendes de Extremoz-RN,Graduado em Pedagogia e especializado em Docencia, gosto muito do que faço e sempre buscando conhecimentos como o que acabamos de lê,e socializando-os em minhas salas de aulas. Apesar de ser educador das séries iniciais, há muito tempo venho lecionando matemática para o ensino fundamental e médio. É normal me depará com essa situação, o que eu não chamo de problema. Em sala sou flexível mas,imponho limites e procuro ¨voltar¨ elogiando. Quando possível oriento-os me pondo no lugar deles e sou bastante aceito por todos. Já consegui trazer para a nossa realidade alunos imperativos através do diálogo, onde do relato, crio alternativas de socialização com ajuda da família.

  11. Boa Tarde,sou professora do 6º ano de uma escola particular,tenho um aluno que aparentemente é hiperativo e cada dia que passa está mais difícil de lidar com ele,pois ñ temos nenhum conhecimento na àrea,os pais ñ aceitam que ele é diferente,na escola ñ tem psicólogo e a diretora ñ sabe mais como agir diante da situação(nada q nós fazemos chama sua atenção,ele ñ para em sala de aula e a turma ñ o aceita,poucos colegas o entendem e o aceitam.)o que podemos fazer para tornar nossas aulas mais tranquilas e ajudar esse aluno a conviver melhor com a turma?Desde já agradeço.

  12. Achei ótimas as dicas que vocês deram.

    Sou professora, e atualmente trabalho na coordenação de professores, e será de muito bom proveito passar essas dicas aos meus professores.

    Gostaria se possivel que esclarecesse a minha dúvida, é necessário se fazer Adequação curricular com crianças de 4 e 5 anos que apresente TDAH? Espero sua resposta.Obrigada por todas as informações contidas aqui.

  13. Gostei muito destas dicas. É sempre bom estarmos lembrando que a inquietação em sala de aula acontece por diversos fatores. Um destes é justamente a hiperatividade que alguns educadores desconhecem e tratam-na como indisciplina. É sempre bom darmos a nossa parcela de contribuição, pois nem sempre os alunos tem acesso a um tratamento psicopedagógico adequado.

    Um abraço

  14. Úrsula, tenho um filho de 14 anos que é hiperativo, passamos por muitas situações na escola, pois ele não para, termina as atividades muito rápido e isso ocasiona um desconforto, porque os professores vivem mandando bilhete, para comparecermos na escola.Adorei a dorei a materia, pois farei um artigo sobre o tema hiperatividade com alunos dentro de saala de aula. Obrigada se puder me retornar agradeço,que Deus te ilumine cada dia mais.

  15. Adorei a matéria. Trabalho com crianças hiperativas e as vezes tenho dificuldades de como lidar e avaliar elas. Gostaria de receber dicas.

    Desde já agradeço.

    Um abraço!!!

  16. oi preciso de ajuda tenho um filho com TDAH ele tomava ritalina mudei e nao consegui ainda medico pois na saude publica e complicado ele esta muito agitado cada dia que passa e na escola tenho reclamaçoes que ele nao presta atenção fica sempre no mundo da lua e os meninos s persebe que ele e diferente e casua dele ele tem 13 anosnao sei o que fazer a escola que ele estuda tem muits problema de adolecentes proplematico existe muita droga e muitos perigos nao sei o que faço tenho muito medo por ele ser assim nao e um menino esperto que sabe sair de uma situação facil e ele e muito nervoso vou voltar com a ritalina mais nao sei como posso ajudar ele por favor e ajude michelle sou de rio claro sp

  17. Em primeiro lugar adorei a materia. Gostaria de ter dicas para como lidar com o adulto hiperativo, pois meu conjuge É, e tenho dificuldades em acertar na maior parte do tempo. Agradeco desde ja. !!!

  18. adorei a matéria tenho dois filhos com tdah sendo uma do tipo c combinada. Só lamento ainda não ter consseguido apoio da Escola que tem muito nome mas não deixa espaço para que o aluno se desenvolva com tudo o que ele tem direito. As Escolas não estão preparadas para crianças assim,os professores não sabem e não querem saber como lidar com essas crianças que sofrem preconceito, sem saber porque o mundo as trata com tanta indiferença. tenho sentido na pele o desinteresse tanto das Escolas quanto dos professores em me auxiliar quando eles estão nas escola. E assim sofremos todos, meus filhos e eu. Espero um dia acordar e ver que finalmente as pessoas resolveram abrir os olhos e nos exergar. meu nome é Ana Paula Fleury Marchiori e sou moradora da cidade de Trindade Goiás

  19. Sou professora pedagoga, especialista em Educação e estou envolvida nesta questão cotidianamente,pois ministro aulas para crianças do 5º ano(4ªsérie)e tenho alguns alunos que apresenta TDA em todas as suas dimensões e a priori, vejo a importância de ter auxílio em todas as suas estâncias para podermos auxiliar nossas crianças.As dicas são muito boas e gostaria de estar informada sobre novas formas de se trabalhar este distúrbio em prol destas crianças.

    Abraços,

    Myriam.

  20. Sou professora da educação infantil, e gostei muito desta matéria, pois tem alguns casos na escola com TDAH, e foi de grande importância saber de todas essas dicas. Muito obrigada!

  21. Sou psicóloga e professora universitária.O material esta muito bem elaborado.Tenho utilizado nas minhas aulas e nos atendimentos que realizo.Precisamos conscientizar professores e familiares com relação aos recursos aqui levantados.Trabalho em Trindade e Goiania.Dia 07 de maio a Secretaria da Educação de Trindade solicitou uma palestra para diretores e coordenadores da escolas.Irei abordar o tema.Parabéns e abraços.Prof.Maria Luiza de Carvalho

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios (*)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>