A linguagem musical no desenvolvimento infantil

Até que ponto a linguagem musical é importante no desenvolvimento da criança? Certamente o bastante para ser cada vez mais estudada e trabalhada. Vários especialistas indicam que a música e qualquer estímulo sonoro são extremamente benéficos durante os primeiros anos de vida, tendo seu início ainda no útero materno.

Assinado por Márcia Britto, o texto que segue aborda várias questões sobre este tema. Vale a pena ler!

Pesquisas desenvolvidas em várias partes do mundo confirmam que a música tem influência no desenvolvimento da criança. Alguns estudos comprovam, inclusive, que o bebê, ainda no útero materno, desenvolve reações a estímulos sonoros.

A linguagem musical vem sendo apontada, por um número cada vez maior de especialistas em todo o mundo, como uma das áreas do conhecimento mais importantes a serem estudadas no desenvolvimento da criança, isso desde o útero materno. Um trabalho realizado por cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá, comprovou que os recém-nascidos expostos a uma melodia serena permanecem tranquilos. Essa comprovação científica vem ao encontro do que pais e mães fazem rotineiramente quando cantam melodiosas cantigas de ninar para o bebê dormir.

Linguagem musical e desenvolvimento infantil

O psicopedagogo, arte-educador e mestre em educação João Beauclair afirma que “a música não é só uma questão de interferência na educação da criança, é uma necessidade, que deve ter espaço consagrado e rotineiro, por possibilitar a melhoria da sensibilidade, beneficiar os processos de aquisição da leitura e da escrita e auxiliar na melhoria da capacidade de memorização e de raciocínio”.

A opinião dele é semelhante à do psiquiatra canadense Thomas Verny, autor do livro “A vida secreta da criança antes de nascer”, que indica a música clássica como a melhor para ser oferecida aos bebês, porque esse tipo de som tem batida semelhante ao ritmo cardíaco em repouso, despertando na criança sensação semelhante à que ela tem quando colocada próximo ao coração materno. O contrário também é verdade. O som de um rock, por exemplo, tende a deixar a criança mais agitada.

Mas a influência da música vai muito além de acalmar ou agitar bebês e crianças. O potencial da inteligência humana é determinado pelos genes de cada pessoa, no entanto são necessários estímulos para colocar essa inteligência em prática, e é justamente aí que entra a música. O estímulo sonoro aumenta as conexões entre os neurônios e, de acordo com cientistas de todo o mundo, quanto maior a conexão entre os neurônios, mais brilhante será o ser humano.

Os sons que estimulam os neurônios dos bebês, mesmo quando ainda estão no útero materno, são muitos, incluindo as conversas que a gestante mantém com o filho, os cantos que ela entoa quando acaricia a barriga, além de outros, incluindo a música propriamente dita. Tudo o que o bebê experimenta desde sua concepção contribui na construção de seu cérebro.

O psicopedagogo João Beauclair conclui dizendo que “a linguagem musical é herança cultural de toda a história da humanidade e deve ser aproveitada, cada vez mais, na escola de educação infantil e na educação como um todo. Além de auxiliar na melhoria de nossas capacidades de memorização e de raciocínio, vários profissionais da área de Psicopedagogia Clínica utilizam recursos musicais para trabalharem com crianças que estejam apresentando dificuldades de aprendizagem”.

Mas, como tudo na vida, o uso da música na educação da criança também deve ser feito com discernimento. Beauclair adverte: “aos pais cabe a tarefa de usar o bom senso. Fugir dos modismos musicais talvez seja uma boa saída, oferecendo a seu filho cantigas de ninar, músicas folclóricas, música sacra, jazz, música popular brasileira, tudo o que tem qualidade é válido”, conclui.

1 pensamento em “A linguagem musical no desenvolvimento infantil”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *